Você sabe o que é Gerenciamento por Categoria? Sabe como este processo pode ajudar na definição de sortimento?

O GC (Gerenciamento por Categorias) é um processo que consiste em gerenciar as categorias como unidades estratégicas de negócio, para produzir resultados comerciais melhores, através da concentração de esforços em entregar maior valor ao shopper e consumidor. 

Você sabe o que é uma categoria? Categoria é o agrupamento de produtos relacionados e complementares, por exemplo, Shampoo, Creme Dental, Fralda Infantil.

A ideia central deste processo é potencializar as vendas e a lucratividade do varejo por meio da oferta de produtos dispostos de forma a atrair e facilitar a escolha e a compra aos olhos do shopper/consumidor

Inicialmente, o GC foi aplicado por grandes redes varejistas como o Walmart e, por isto, ficou a percepção que somente grandes empresas poderiam implantar este método. Entretanto, o processo de GC vem passando por simplificações, possibilitando e ampliando o uso por pequenos e médios varejistas, oferecendo acesso a ferramentas relevantes para apoiar a gestão de produtos e serviços entregues ao shopper.

O GC, para muitos, se trata de um projeto. De fato, ele inicia como um, para que possa ser implementado, mas acaba se transformando num processo que impacta toda a cultura da empresa, já que várias áreas passam a gerir dados, ações, definição de mix, exposições, compras, negociação com fornecedores, arquitetura e layout de loja, seja on line ou física, ou seja, tudo que impacta no Gerenciamento por Categoria.

O processo é formado por etapas que acontecem como um ciclo sistêmico e infinito.


Por que este processo auxilia na definição de sortimento de produtos e serviços?

O GC inicia e finaliza suas decisões com base na solução de “problemas” do seu cliente, que é o foco principal de todo o processo. 

Em primeiro lugar o sortimento deve estar estrategicamente categorizado e pensado de forma a de forma a facilitar a experiência de compra do seu cliente, tendo claro o papel de cada categoria no negócio. Se você tem uma loja de Tintas, por exemplo, você precisará entregar toda a solução necessária para realizar a pintura. Ou seja, variedade de marcas e cores de tinta, além de todos os acessórios necessários como pincéis, rolos, lixas, prato. Enfim, tudo que se relaciona e é complementar para o “problema” específico. É necessário oferecer uma variedade completa, já que o motivo da loja existir é muito claro. Por outro lado, caso um supermercado, por exemplo, queira vender tinta, não precisará oferecer uma gama ampla de sortimento pois, neste caso, a categoria funciona como conveniência ao cliente, já que essa categoria não tem relevância para o negócio, funcionando como uma solução com conotação de emergência, “quebra galho”. 

Estabelecer papéis estratégicos para as categorias, determinar benchmarkings, definir espaços de loja, atuar de forma a entregar o propósito da empresa, determinar faixas de preços, mínimos e máximos de variedade, são alguns dos critérios táticos que apoiam na definição de mix de produtos de forma mais fácil e ágil, seja para ampliar ou reduzir sortimento. 

A renovação do mix é constante, sempre existem produtos novos para serem introduzidos e produtos com baixa performance, que precisam ser eliminados da gôndola para dar espaço à melhores oportunidades, portanto, com base na estratégia e critérios táticos, acima pontuados, indicamos estabelecer: 

·           Periodicidade de análises completas do mix por categoria para que no dia a dia, exista agilidade nas definições de entradas e saídas.

·        Dados quantitativos com uma estrutura mercadológica bem montada e alimentada torna possível analisar e agir com mínimo de erros.

·            Analisar os seus dados e cruzar com o mercado para entender oportunidades sejam elas de introdução, retirada ou fortalecimento de uma categoria, marca ou até item.

·       Lembrando que nem tudo se faz apenas com dados quantitativos, já que “cerejas do bolo” no sortimento podem atrair e fazer a diferença qualitativa de uma categoria, sem trazer diretamente  resultado financeiro significante. 

Experimente também criar um mapa com pontuação e critérios para introdução de novos produtos. A partir de determinada pontuação o item se torna elegível para entrar no mix ou não, tendo em vista o momento da categoria e seu propósito.

Diante disso tudo, podemos observar que o Gerenciamento por Categoria é um processo que apoia diretamente o processo de definição de sortimento. Não é uma ciência exata, mas deve basear-se em dados claros, estratégias bem montadas, conhecimento do shopper e tendências para atingir bons resultados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Papéis Estratégicos das Categorias

O que o consumidor quer é conveniência!